A CBF não vê irregularidade do Sport no caso de Pedro Henrique, mas a decisão continua nas mãos do STJD

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) afirmou, por meio de nota assinada pelo diretor de competições, Manoel Flores, que “não há irregularidade” na transferência de Pedro Henrique para o Sport Recife. No entanto, ele esclareceu que a situação deve ser definida pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), já que há uma ação de outros clubes alegando irregularidades por parte do povo pernambucano.

Segundo a entidade que rege o esporte no país, “no caso específico do Campeonato Brasileiro Série A 2021, os critérios para quantificar o número máximo de partidas que um atleta pode disputar por determinado clube, antes de ser transferido para outra competição de clubes ” , baseia-se unicamente no ato do atleta em iniciar a partida como titular, ou entrar em campo durante a partida como substituto “.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e experimente o DAZN gratuitamente por um mês!

O Sport depende dos Regulamentos Específicos da Competição (REC) para garantir que a transferência foi legal. De acordo com o artigo 11 do documento, “um atleta só pode ser transferido para outro clube do Brasileirão, após o início do CAMPEONATO, se tiver disputado no máximo seis partidas pelo clube de origem. O ato é considerado desempenho . Comece a partida. Como titular ou entre em campo durante o jogo como substituto “.

Na última sexta-feira, nove clubes -América-MG, Atlético-GO, Bahia, Ceará, Chapecoense, Cuiabá, Grêmio, Juventude e Santos- aderiram com Auto de Infração ao Esporte por suposta seleção irregular do atleta Pedro Henrique na Série O Brasileiro . 1.

O grupo alega que o atleta violou o artigo 43 do Regulamento Geral da Competição (RGC), que estabelece que “o fato de estar inscrito na ata como substituto não será computado para aferir o número máximo de partidas que um atleta pode disputar um Clube cedido antes de ser transferido para outro da mesma competição, na modalidade do respectivo REC. Porém, se, em substituição, o atleta for sancionado pelo árbitro, será considerado como jogo do infractor, por a finalidade de quantificar o número máximo a que se refere o caput deste artigo ”.

A CBF apóia a tese do Sport e afirma que “embora se considere que haja dissonância no caso entre as disposições do RGC e do REC, ressalta-se […] que o REC prevalece sobre o RGC em caso de conflito “.

Assim, a CBF conclui que “no caso específico desta consulta, devido ao predomínio do REC, o desempenho do atleta Pero Henrique deve ser considerado para o Internacional em cinco jogos do Campeonato Brasileiro Série A 2021, portanto não há irregularidade em sua transferência para o Sport Club do Recife / PE ”.

Mesmo com um posicionamento claro, a CBF afirma que “caso haja divergência entre o parecer da CBF e o entendimento da Justiça Desportiva, suas decisões prevalecerão sempre, visto que o parecer emitido pela CBF não é vinculativo”.

A discussão ocorre porque, no início desta edição do torneio, o zagueiro disputou cinco partidas pelo Internacional e recebeu cartões amarelos em outras duas, quando estava apenas no banco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais notícias relacionadas