Michael supera depressão, assume papel de destaque e faz a diferença no Flamengo

Desde que chegou ao Flamengo em janeiro de 2020, Michael já passou por vários momentos dentro do clube. Desde a grande expectativa após o grande Brasileirão que fez com a camisa do Goiás, as fortes críticas nas redes sociais e até a campanha para que ela fosse negociada. Hoje, porém, ele assumiu o papel de jogador central do time, seja no início de uma partida ou saindo do banco para fazer a diferença.

Muito dessa evolução tem o dedo do técnico Renato Gaúcho. Desde os tempos do Grêmio, o capitão era um entusiasta do futebol pela camisa 19 e até pediu para contratar Michael no início deste ano pelo Tricolor Gaúcho.

Futebol ao vivo ou quando quiser? Clique aqui e experimente o DAZN gratuitamente por um mês!

Por sorte, Micha, como seus companheiros o chamam carinhosamente, ficaria no Flamengo, e meses depois, Renato Gaúcho desembarcaria na Gávea. Nos primeiros tempos do clube, o treinador teve o cuidado de dar especial atenção ao avançado. Ele foi direto e disse que queria o jogador goiano, que ninguém se esquecesse de jogar futebol.

Desde então, seu relacionamento tem se tornado cada vez mais forte. É normal ver Michael na entrada do campo jogando com Renato após um gol ou uma boa jogada. Também é normal ver vocês dois se cumprimentando calorosamente após os jogos. Ou ainda depoimentos do técnico em coletivas de imprensa. Em um recente, ele chamou a camisa 21 de “chata” e elogiou sua engenhosidade para jogar futebol.

Na importante vitória sobre o Juventude, na última quarta-feira (13), Michael não marcou, mas deu uma boa assistência para Pedro fazer o segundo. Além disso, tornou a defesa do time de Caxias do Sul um inferno, ajudando na liderança. Até o drible é uma característica importante de Micha, que faz a diferença dentro de um elenco de destaque como o do Flamengo. Ele também sofreu falta de Andreas Pereira, que terminou seus 235 jogos sem cobrança de falta direta.

Apesar dos grandes nomes, Michael é um dos poucos do grupo que tem o recurso de driblar e usa muito, sempre incentivado por Renato. Não é surpresa, desde que o treinador chegou ao clube, a camisa 21 é a que mais dribla na equipe. Até agora, foram 43 dribles corretos.

Além de ajudar muito no setor ofensivo, Michael também é um jogador fundamental que auxilia na defesa. Desde que Renato Gaúcho chegou ao clube, a camisa 21 é a segunda do time que mais duelos vence, com 99 até o momento. Números que comprovam a intensidade do baixinho.

Com a ajuda de Pedro, tornou-se o terceiro jogador do plantel a fazer mais gols, com 9 assistências, atrás apenas de Arrascaeta e Vitinho. Na partida contra o Fortaleza, ele marcou dois gols e chegou a 11 gols na atual temporada.

Para brilhar no Flamengo, Michael também superou uma depressão, pela qual passou em 2020. O camisa 21 chegou a declarar em entrevista recente que queria suicídio, mas o time carioca deu todo o apoio ao jogador. Naquela época, Jorge Jesús ainda era o treinador da equipe e também foi importante no processo, assim como o Rafinha.

Hoje, Micha colhe os frutos da perseverança e da importância de ouvir para evoluir. Ele está sempre ouvindo e pedindo conselhos dos mais experientes e, principalmente, de Renato Gaúcho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais notícias relacionadas