Sem transição ofensiva e com laterais rasteiras, Fluminense se afasta do gol no Brasileirão – Notícias do Fluminense

Desde que você assumiu +Fluminense, Marcão tem promovido mudanças no esquema tático da equipe. Porém, embora as mudanças funcionassem nos primeiros jogos, a falta de criatividade no meio-campo e nas alas tornou-se o ponto fraco dos duelos. Há três jogos sem vencer e sem marcar gols, o Tricolor está cada vez mais distante de seu principal objetivo no Brasileirão: uma vaga na próxima Libertadores.

A +derrota para o Corinthians, quarta-feira passada, apresentou as mesmas dificuldades das duas últimas rodadas. O triciclo, que até recentemente conseguia lidar com a transição ofensiva, não ofereceu a mesma dinâmica ao grupo. +Yago Felipe, ex-pilar do setor, trabalhou regularmente na Neo Química Arena, mas abaixo das expectativas. Nonato, que ocupou o lugar de Martinelli, não conseguiu manter o ritmo inicial e também cedeu espaço ao adversário.

Nas laterais também houve mudança. Desde o jogo contra o Bahia, Marcão alternava entre Egídio e Danilo Barcelos, que ocupou a vaga do ex-titular na esquerda. O desempenho, porém, não justifica a mudança: contra o Corinthians, a falha do jogador custou ao Fluminense o resultado, assim como o pênalti cometido na eliminação da Copa do Brasil. Na partida contra o Cuiabá, o lateral foi substituído por Marlon, que não voltou mais a campo.
+
> Confira o ranking da Série A Brasileira

Na direita, Calegari disputou duas rodadas e contrariou as expectativas ao apresentar um futebol semelhante ao da temporada passada, em que foi o destaque do grupo. Porém, Samuel Xavier voltou à primeira equipa e continua a falhar na marcação e na função defensiva.

A situação no setor ofensivo não é diferente das demais. Embora a lesão de Fred tenha sido um imprevisto de última hora para o Flu, o ataque tem lutado para criar oportunidades, em grande parte devido à ausência de um meio-campista criativo.

No último jogo, a entrada de Cazares mostrou que o setor tem potencial para ser mais agressivo se contar com um jogador de transição. Além da dificuldade de correr perigo, a equipe também vem desperdiçando cada vez mais apresentações. Preste atenção a isso, +Marcão destacou que é um dos pontos a serem trabalhados nos próximos dias.

– É para continuar trabalhando. De certa forma, estivemos criando, hoje criamos mais do que o Corinthians, que fez um único chute a gol e ficou feliz. Sobre nossa equipe, vocês estão trabalhando nesta última situação. Tivemos oportunidades na semana passada e hoje, e o segredo é continuar trabalhando – afirmou o treinador em entrevista coletiva, após a derrota para o Corinthians.

++ AÇÕES: Danilo Barcelos falha e compromete o Fluminense

Embora os erros individuais se destaquem nos resultados desfavoráveis, o panorama revela que é preciso continuar modificando a equipe para que o Fluminense redescubra sua forma de jogar. Para isso, a comissão técnica conta com nomes importantes, como Jhon Arias, que fez boas atuações quando estreou, e John Kennedy, um jovem de base que vinha crescendo antes de partir para a Covid-19.

O Tricolor ainda se lembra de sete jogos invictos, depois de uma seqüência de cinco derrotas consecutivas. Porém, se o Fluminense pretende ir para a Libertadores no ano que vem, mudar a forma de jogar a apenas 12 partidas tornou-se o principal desafio para o clube sonhar em se classificar novamente.

* Estagiário sob orientação de Hugo Mirandela

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja mais notícias relacionadas